________________________________


Comecei a escrever no momento em que percebi que só pensar não mais me satisfazia.

Precisava transbordar todo aquele pensamento que só ao meu universo de idéias pertencia.

Hoje, escrevo por pura necessidade, por irresistível vício e por agradável teimosia.




Claudia Pinelli Rêgo Fernandes ®



terça-feira, fevereiro 20, 2007

No início, era o Semba...

Foto de Christophe Chat-Verre


"Ah! imagina só que loucura essa mistura
Alegria, alegria é o estado que chamamos Bahia... "

Será??




Como não tenho mais coragem e nem saco de encarar um bloco ou a pipoca, e nem podia viajar, resolvi fazer algo que só fazia quando criança, acompanhar a transmissão do carnaval pela televisão.E devo confessar que um sentimento muito forte se manifestou em mim. A Emoção. Emoção esta que era um prenúncio de que algo muito maravilhoso estava acontecendo nesse carnaval.

Preciso fazer uma digressão, porque me lembrei de quando era bem novinha. Sempre fui muito ligada à minha família, principalmente às mulheres mais idosas, avó, tias-avós e bisavó, sempre presentes em minhas brincadeiras de criança e com quem conversava por horas. E hoje agradeço a essas longas e divertidas conversas, pois creio que adquiri muito conhecimento que guardo e me serve até hoje.

Dessa época, lembro de que elas falavam das escolas de samba de Salvador. É, nós tínhamos escolas de samba sim. De como eram bonitas. E de como foram umas das primeiras representações de um carnaval genuinamente de rua. Do primeiro afoxé, a Embaixada Africana, com homens negros lindos, vestidos ao estilo africano. Da velha fobica de Dodô e Osmar, e de como eles saíram tocando paus elétricos arrastando uma massa enlouquecida. Dos "caretas" com fantasias bem coloridas. E outras memórias que me faziam viajar.

Lembro-me ainda que assistíamos todas juntas, na sala, às transmissões de carnaval. Era uma aula. Primeiro, porque elas sempre foram humanistas, e usavam as imagens do próprio carnaval para ilustrar cada comentário feito. Apontavam sempre para a segregação gritante, para a barreira que o governo interpunha entre o povo das ruas, que faziam protestos, que mostravam sua cultura e o povo das salas, que assistiam apenas ao que eles deixavam. Segundo, porque elas adoravam os bailes gays que aconteciam nas madrugadas. Com isso, procuravam me mostrar que todos somos seres humanos e podemos nos manifestar de várias formas. Isso para mim, era sinônimo de aprendizado e, ao mesmo tempo, diversão garantida. E quando a coisa esquentava demais: "Olha para lá, Claudinha.", "Isso você não pode ver, menina." Não precisa nem dizer que eu não obedecia..

Claro que nada, em tempo algum, é perfeito, mas como era romântico o carnaval daquela época..

Até os blocos de trio, hoje marcadamente sem personalidade, padronizados, comerciais e racistas, eram bonitos, com macacões ou mortalhas com desenhos especiais, desenhados com esmero, com arte, eram blocos leves e pretendiam, antes mesmo de ganhar grana, levar diversão, juntar uma galera e sair para beber e farrear. Lembro dos Amigos Da Vovó e o Comunicação(da Ribeira), Os Internacionais(bloco só de homens, belíssimo, do qual meu tio Zé era sócio), os Traz os Montes que revolucionou colocando equipamentos transistorizados, retirando a percussão que ficava do lado do trio e levando uma banda para cima do caminhão, e outros tantos.

E lembro muito bem, durante anos, delas apontando esses blocos de trio que passavam de dia e falando revoltadas: "Só tem branco!", "Parece que estamos na Suiça!", "Isso não é a realidade!","Antigamente todo mundo brincava nas ruas.", "Estão abafando as manifestações afro.." E só bem tarde da noite, quando não havia mais pessoas nem nas ruas nem em frente às tvs, para assisti-las e ter noção de sua mensagem, essas entidades afro de que minhas nonas falavam, saíam às ruas, pelo simples prazer de desfilar, protestar, e de confirmar sua negritude, cultura e beleza. Entidades da magnitude cultural do Ilê Aiyê, Male de Balê, e Badauê eram renegados a segundo plano, restando-lhe apenas o horário da madrugada no espaço “doado” como se fosse um favor. Antes disso, os afoxés exibiam-se na Baixa dos Sapateiros, Taboão, Barroquinha e Pelourinho, enquanto os grandes clubes desfilavam em áreas mais nobres, e em clubes como Os Fantoches da Euterpe, o que já era um prenúncio da tendência que essa festa iria tomar. Para os compadres tudo! Para o povo, nada!

Era óbvio que tudo estava muito errado.

Por anos esse fato se repetiu. Fiquei adulta e via, com revolta, no que o carnaval da Bahia vinha se transformando. A imprensa e as tevês, descaradamente, por motivos que todos sabemos quais são, privilegiavam a cultura hegemônica, a que tocava nas rádios, a que aparecia na televisão, enfim, aquela que vende e dá dindim. E ainda para piorar, devia considerar o povo um bando de idiotas, porque a transmissão era uma piada. Só era veiculado as entidades que mantinham uma troca de favores com o poder. Por exemplo:
Mudança do Garcia? "Jamais! Vade retro!”
Quando ela aparecia no início do Garcia, já era motivo de articulações para que fosse barrada. “Gente pobre, desorganizada, cheia de faixas e cartazes com um monte de bobagem!”
Porque o carnaval era mostrado como uma festa sempre de paz, de anuência política, sem violência, um paraíso. E qualquer coisa que atrapalhasse essa farsa, era abafada.
As notícias eram sempre:” O carnaval desse ano foi o com menos vítimas dos últimos tempos.”
Quando na verdade, as ocorrências eram inúmeras.
Eu gosto de rock, e uns 10 anos atrás, vi a criação do Palco do Rock, um evento razoavelmete grande, só com bandas de rock, de todo o país, feito por e para pessoas que não gostam do clima, nem das músicas de carnaval. Durante anos fui e prestigiei, nunca vi passar na televisão, dando a importância merecida, eram só flashes rápidos, e nunca teve incentivo privado. Mas mesmo assim levava 2, 3 mil pessoas para os shows. Um amigo meu de Porto Alegre veio para cá e ficou bobo com aquilo. Um evento daquele em carnaval, na Bahia do Axé, e quase ninguém sabia?
E com a frequência que aconteciam, todos esses fatos começavam a me tocar muito como cidadã e como povo, claro:
”Eu quero ver a Mudança do Garcia!!”
"Sei que rolou violência!”
"Quero poder escolher ouvir ROCK no carnaval também!" e
"Vá enganar a PQP!”

Mas nada está perdido, ou creio que não. No primeiro dia de carnaval deste ano, levei um susto bom, muito bom.

Estava eu, como disse no início, assistindo à transmissão da festa momesca, meio que sem a menor animação, nem esperança de qualquer novidade. Foi quando senti algo que me marcou.
A sensação lá no fundo do peito de que alguma coisa poderia estar mudando e como todo despertar para uma coisa boa, veio imbuído de uma emoção forte.

Que me desculpem as outras emissoras, que até tentaram, ou não, mostrar um pouquinho de tudo, mas a TVE, a tevê educativa da Bahia, foi instruída a transmitir sem medo, sem cortes, e com absoluta preferência, as manifestações espontâneas, a multiplicidade de culturas, a diversidade, que é uma marca da Bahia e que vinha caindo no obscurantismo. Resumindo, mostrar a cultura afro-baiana, com os blocos afro, os afoxés, blocos de reggae, etc.. Mas o que mais me emocionou, foram os blocos de samba, antes completamente jogados ao ostracismo, e por esse motivo, desconhecidos pelo grande público.

Nesse dia, a emoção me tomou o ser, mas em 3 ocasiões específicas, me pegou de jeito. Começou com a passagem do Alerta geral. Bloco de samba, ritmo mais genuinamente brasileiro, e que era criminosamente deixado de lado no carnaval, desfilou com elegância, com milhares de foliões, trazendo Beth Carvalho, Arlindo Cruz, Dudu Nobre e outros, muito lindo.

O bloco Coração Rastafari entrou depois, tocando seu reggae de raiz, com letras fortes, com Lazzo Matumbi entoando sua bela voz. E olha, que o bloco quase que não sai por falta de incentivo, assim como muitos outros.

O Bankoma veio para me tirar lágrimas dos olhos. Bloco lindo de se ver, desfilou com altivez e muita beleza. Confesso que mesmo tendo morado por 8 anos em Lauro de Freitas, e sempre ensinado em escola do estado por lá, nunca ouvi falar dessa entidade. Para mim, uma surpresa emocionante.

Outro bloco de samba, o Amor e Paixão passou pelo Campo Grande majestoso. Coisa linda. Vestidos de vermelho e branco, os integrantes do bloco mostraram samba no pé o tempo todo, liderados pelo samba empolgante de Nelson Rufino..

Sem falar nos Filhos de Ghandi, que sempre trazem uma mistura de paz, tradição e, na minha opinião, muita sensualidade. O Cortejo Afro, belíssimo em toda sua diversidade, levando este ano também a causa dos albinos para as ruas. Os Mascarados, maravilhoso, com as pessoas fantasiadas, felizes, e onde aquela velha frase do Tim Maia: "Só não pode dançar homem com homem, nem mulher com mulher" não rola, graças a Deus; e outros eventos que mostraram que o carnaval da Bahia não é feito só de blocos de trio.

E nada mais coerente, e inteligente, do que dar maior destaque aos blocos e grupos de samba na Bahia no carnaval, como aconteceu. Afinal, é da suposta matriz do samba, o semba, que surgiram todas essas variantes ouvidas por aqui. E ainda dizem que o ritmo nasceu na terrinha, ou pelo menos nos braços de uma baiana, a Tia Ciata, e num ano em que um de nossos maiores sambistas, Riachão, figura emblemática daqui, foi tema do carnaval, a justiça finalmente se fez.


E pensar que samba vem da corruptela semba que significaria para uns Umbigada e para outros, Tristeza, Melancolia ou Banzo, creio que o carnaval já escolheu o seu significado preferido.


Bjo.





Quem quiser uma visão mais direta e racional sobre o carnaval, veja aqui no blog do Zé:



Música: Chame Gente do Moraes Moreira com Armandinho.

7 comentários:

josé alberto farias disse...

Emocionante é o seu post, Cláudia. Lúcido e brilhantemente escrito.
Viajei no tempo com você e senti uma imensa saudade dos carnavais antigos.
Claro que sabemos que nada será como antes, nem deveria ser. Mas você registrou algo que considero fundamental: é possível e preciso resistir ao processo de mercantilização do carnaval.

Fugu disse...

Claudia, lindo o seu post. Mas a gente se acostumou a só reconhecer como real aquilo que vê na TV, o que é uma distorção. A vida real está nas ruas. Aqui no Rio, de uns anos para cá os blocos de rua cresceram imensamente. Só no bairro onde moro já são 23. Nenhum deles sai no jornal. Mas que mora nesta cidade e a ama sabe direitinho onde está a alegria.

Rod disse...

Oi Cacau, já faz um tempo q não posto por aqui. Belo texto... Sinceramente, eu não gosto de axé, vc sabe né... Isso se tornou um negócio tão grande e rentável, pra uns poucos, é claro, e acabou abafando a raiz no carnaval. Quero ressaltar q a TV Educativa tá de parabéns por mostrar esse "carnaval off". Bjx

Manuel disse...

Eu não gosto de carnaval, mas concordo totalmente com a proposta da tve em mostrar algo que seja culturalmente interessante de verdade.

Wolf disse...

O carnaval de Salvador tem mais uma imagem comercial doque uma imagem de manifestação cultural. Infelizmente as pessoas sufocaram todo o intuito de diversão, amizade, alegria, com ideias capitalistas e opressoras, deixando de lado aqueles que criaram essa festa, por motivos racistas e ganânciosos.

david santos disse...

Olá!
Bom dado histórico.
Parabéns

Sarah disse...

oi Claudia, vim futucar atrás do post que vc falou.
Eu este ano passei o carnaval em Recife, ejustamente por estar cansada desta comercialização que virou o nosso carnaval.
La em Recife fiquei encantada com as manufestações culturais tão espontaneas e mantidas com muito orgulho. O recifolia foi banido por pressão da polulação. É um carnaval emocionante de se ver, falando aqui me arrepiei agora.
É triste também saber que o nosso carnaval é conhecido fora daqui como carnaval de axé simplesmente comercial, senti vergonha em alguns momentos.
Gostei muito do que li aqui, muita coisa deste carnaval que nem, sabia (os blocos de samba). Será que as coisas começam a mudar? Seria bom, é muito triste ver o povo ( e eu inclusive) esmagado entre as cordas e o camarotes. nunca gostei de blocos e camarotes é uma chatice sem tamanho.
Parabéns pelo texto, muito lúcido e esclarecedor! Emocionante! Que bom ter tias e avós assim.

um beijo
;-)

Related Posts with Thumbnails

Minha família

My kind of Spirit...


You are the elusive Night Spirit.
Your season is Winter, when the stars are bright and frost crystallizes the fallen leaves.
You are introspective, deep-thinking, and mysterious.
Everyone is intrigued and a little intimidated by you because you have an aura of otherworldliness.
You work in extremes, sometime happy, other times sad, but always creative and philosophical.
You are more concerned with the unseen, mystical, and metaphysical than the real world.
Night Spirits have a tendency to get lost in themselves and must be careful not to forget reality, but their imagination is limitless.