________________________________


Comecei a escrever no momento em que percebi que só pensar não mais me satisfazia.

Precisava transbordar todo aquele pensamento que só ao meu universo de idéias pertencia.

Hoje, escrevo por pura necessidade, por irresistível vício e por agradável teimosia.




Claudia Pinelli Rêgo Fernandes ®



sexta-feira, março 09, 2007

Se não for agora - quando?




Se não for agora - quando?

Não diga que é muito cedo, nem que é muito tarde,
ou que está escuro, é perigoso, muito alto, muito fundo, muito longe...

Não!

Se você não compreende o entusiasmo das escolhas que eu faço;
Se você não pode respeitar minhas loucuras e delícias;
se você não consegue me empurrar com amor e doçura para o miolo da Vida,
— não me segure, não me prenda, não me amarre.

Não tente me salvar de coisa alguma.
Não me afaste do que mais preciso.

Você tem a opção de testemunhar uma bela transformação,
ou de apenas fechar os olhos e dizer não.

Porque agora — agora é hora de voar,
é hora de abrir-me a todas as possibilidades.

Estou partindo em voo livre para dentro de mim!



Edson Marques



Esse texto é desconcertante...

E descreve exatamente meu momento.

Estou muito feliz - o que é raro há muito tempo - eufórica, animada, com esperança num futuro de novidade, de vida e arisca a possíveis amarras.

Hoje eu sei que tenho asas para voar.

E quero usá-las.




Bjin.



Música: Out of my book do Van Der Graaf Generator.

5 comentários:

cantabile disse...

Oi Cláudia!
tenho "esbarrado" com você nos coments da Vivi. Passei para uma visita e gostei bastante. Estou um pouco enrolada. Voltarei mais tarde para ler com calma.
beijos e até breve!

pequenos delitos disse...

Desconcertante é mesmo o adjetivo que melhor se adequa a esse texto. Não reflete apenas o seu atual momento. É um grito contra toda tentativa de impedir o outro de voar.

Viviana disse...

Desconcertante sim. E um delicioso soco no estômago!


Psiu... qdo que a gente vai se esbarrar no msn, nunca? rsssssss


Beijos!

Anônimo disse...

Amigos


É, o nosso Barbosinha tem razão: nessa hora o homem sente vergonha de ser honesto. Seguinte: o texto "Sinto Vergonha de MIm", atribuído ao amigo "Águia de Haia". é, na verdade, de autoria da poetisa Cleide Canton, que mantém uma página na rede ("Página Poética de Cleide Canton") cujo endereço é http://www.paginapoeticadecleidecanton.com/principal.htm. É de Rui Barbosa, realmente, apenas a citação ao final (que, corretamente, está entre aspas).

Conclusão: pra dar a "lição", alguém tomou o texto da moça!!!! É o fim-da-picada!!!!

Bem, sugiro a retificação, atribuindo corretamente a autoria. A propósito, seria interessante mudar no site, pois apenas publicar este comentário não resolve muito pois, de modo geral, as pessoas veem o texto e não observam a retificação.
Puxa: Águia da 'AYA"?
Agradeço pela atenção.

José Milton Bertoco

-------# Claudia #------- disse...

Não seja p isso, Sr. José.
Como o início do texto nunca me agradou mesmo, visto a sua baixa qualidade, retiro-o, assim fico quite c a citada escritora, c o "Águia de Haia" e comigo mesma.
Na próxima, por favor, seja menos irônico e agressivo com meus visitantes.
Ainda assim, obrigada pela visita.

Related Posts with Thumbnails

Minha família

My kind of Spirit...


You are the elusive Night Spirit.
Your season is Winter, when the stars are bright and frost crystallizes the fallen leaves.
You are introspective, deep-thinking, and mysterious.
Everyone is intrigued and a little intimidated by you because you have an aura of otherworldliness.
You work in extremes, sometime happy, other times sad, but always creative and philosophical.
You are more concerned with the unseen, mystical, and metaphysical than the real world.
Night Spirits have a tendency to get lost in themselves and must be careful not to forget reality, but their imagination is limitless.